Arquivo da categoria: Economia Política

Economia Política: Resumo de aula 06/Junho/2013

Nesta aula foram debatidos os temas referentes à vivência de experiências à luz daquilo que estudamos em Economia Política.

Algo somente faz sentido quando a teoria passa a ser algo vivo no nosso dia a dia e concomitantemente devemos viver o dia a dia da teoria.

Nos dias atuais a pessoa é “cidadã do mundo” porém a prática econômica é diferente, pois há conceitos a serem seguidos, por exemplo os imigrantes ilegais américo-hispânicos trabalham em sistema escravizado para o capital, enquanto realidade brasileira.

À luz do capital, o Brasil e visto como exportador de homem (enquanto futebolista e servente de pedreiro) e as mulheres (carnaval e visão erotizada) externamente.

Com a prática escravagista moderna, o Brasil é visto como um país pobre que enriquece os demais países.

O imigrante ilegal não é visto como cidadão, pois não tem documentação ou seja, é considerado como um “párea” na globalização.

Todas as relações no MPC é “chamado” a ser consumidor e quando não o é, torna-se invisível e sua tendência é ser exterminado.

No pensamento da seleção natural, o mais fraco é descartado. Nas famílias, o “mais fraco” já se vê inconscientemente como um recebedor das energias dos demais membros da família, enquanto experienciação negativa, por exemplo, todos os grupos irão diferenciá-lo dos demais.

A visão de uma sociedade estruturada, todos trabalham, todos consomem, todos são felizes. Sendo este o ideal e na realidade nem todos trabalham, nem todos produzem, nem todos consomem, nem todos são felizes.

Quando analisamos as disparidades podemos perceber alguns aspectos:

EUA – se veem como os mais produtivos e melhores

EUA – tem taxa de suicídio alta bem como a de depressão

BRASIL – são mais felizes e alegres

BRASIL – há menos suicídios e bem menos depressão entre a população.

Houve uma atividade em aula que será o norteador da prova, que consistiu em elaborarmos uma frase sobre aquilo que aprendemos em economia política e um outro colega continuaria esta frase.

Agenda:

A avaliação será no dia 10 de Junho, onde por votação de 22 a 20, ficou convencionado que será nos moldes propostos pela professora atual da disciplina de Economia Política.

Economia Política: Resumo de aula 20/Maio/2013

Nesta aula fomos apresentados à professora Rosely Almeida onde a mesma fez um resgate histórico da visão de colonização do Brasil enquanto “ser descoberto” e “ser invadido.”

Também houve uma discussão à luz da experiência europeia da professora ao comparar o “capitalismo europeu” e o “capitalismo brasileiro” onde complementando a visão europeia do Brasil é reduzida, como por exemplo, o país é pequeno, com as mesmas proporções europeias.

Em um outro momento, foi enviado um email para a classe orientando que a então marcada prova para o dia 03 de Junho não mais será aplicada, pois teremos uma reunião onde será debatido qual o modelo de avaliação será aplicado.

Economia Política: Resumo de aula 06/Maio/2013

A aula foi iniciada com o Samba da Mais Valia. Veja abaixo:

Em seguida continuamos com as explicações sobre os capítulos IV e V de Economia Política.

Produção de mercadorias.

A FT é a única mercadoria que produz mais do que ela custa.

Não existe capital se não houver exploração, mesmo com as novas tecnologias, o capitalismo sempre precisa da FT.

Os seres humanos sempre tem novas necessidades, muitas delas incentivadas pelo capitalismo.

A produção é contínua, onde sem acumulação não há MPC.

Há várias acumulações e são sempre maiores.

Há dois tipos de reprodução

Simples – utilizar o lucro como valor de uso, impraticável, pois se assim fosse, o próprio capitalismo não existiria.

Ampliada – há um reinvestimento de parte ou todo o lucro e, consequentemente, há mais lucro obtido com o novo investimento.

Há dois tipos de mais valia

Absoluta – é ligada à jornada de trabalho, aumenta-se a jornada e há mais produção de mais valia.

Relativa – é ligada a produzir mais em menos tempo.

O acúmulo de trabalho está diretamente ligado à exploração de mão de obra.

Vide Pág 140 onde diz …. importa assinalar …

e a parte onde diz … ou seja…

O capitalismo funciona de acordo com o acumulo – reprodução ampliada.

Ao capitalista interessa o menor tempo de rotação do capital, quanto mais rápido o dinheiro sair da produção e voltar a circular, mais acumulação é gerada.

Há duas tendências para acumulação.

Concentração – grandes capitalistas acumulam cada vez mais (massa de capital).

Centralização – união de grandes capitalistas, compra de empresas menores, formação de monopólio.

As duas tendências caminham juntas.

O capitalismo na atualidade é monopolista, existindo uma tendência a concentrar e centralizar, obtendo assim mias poder.

Vide citação página 144 onde diz: O capital jamais…..

O exército industrial de reserva é a parte constitutiva do capital.

Superpopulação relativa: definição de exército industrial de reserva. “grande contingente de trabalhadores desempregados que não encontra compradores para sua FT” (Netto, 2012, p.145

O exército industrial de reserva é um fenômeno próprio do capitalismo e tem uma função própria de minar as reivindicações trabalhistas e controlar os salários.

O exército industrial de reserva faz com que as demandas temporárias sejam supridas em processo migratório.

Liberalismo – Adam Smith  e David Ricardo, etc. diz que é uma troca justa para os seus interesses e é bom para a sociedade. Esta é a expressão da ideologia dominante burguesa.

O capitalismo se reproduz acumulando riquezas, porém não fica com que a produziu ou seja, retorna a burguesia.

Em cada ciclo de reprodução, os capitalistas burgueses acumulam mais enquanto os trabalhadores ficam cada vez mais pobres onde esta é a Lei Geral da Acumulação Capitalista.

A questão social é a contradição da relação capital-trabalho, é a matéria prima do Assistente Social, um conjunto das consequências geradas pela acumulação burguesa e o empobrecimento dos trabalhadores.

Surge e se desenvolve no capitalismo onde enquanto houver MPC, haverá questão social.

No capitalismo o objetivo é o lucro, baseado na exploração e extração da mais valia.

Agenda: Para as próximas aulas, teremos revisão baseada no conteúdo da disciplina.

Economia Política: download

A professora enviou um arquivo contendo os principais tópicos da leitura referente ao capítulo 5 do livro Economia Política de José Paulo Netto.

Segue o download:

CAPITULO 5 ECONOMIA POLITICA

Caso o download não inicie ao clicar, utilize o botão direito do mouse e selecione “salvar destino como…” ou opções similares em seu navegador de internet.

Economia Política: Resumo de aula 29/Abril/2013

Nesta aula trabalhamos os capítulos IV e V de Economia Política – José Paulo Netto

O Modo de Produção Capitalista MPC é planetário, é um modo de produção de mercadorias com objetivo de obter lucros.

O capital constante, trabalho morto estão relacionados aos meios de produção.

Força de Trabalho – tem valor de uso e valor de troca.

O valor de uso produz um valor, cria produtos com utilidade de criar um valor.

O valor de troca é pago com o salário e é calculado pela soma das necessidades básicas dele próprio e de sua família.

A FT é uma mercadoria especial, pois esta produz o lucro.

MP e FT são diferentes, pois a FT tem valor de uso diferenciado, pois esta cria um valor maior do que ela custa.

FT – trabalho vivo, pois está acontecendo.

Mercadoria FT – Exemplo: 8 horas custa R$ 30 reais e produz R$ 80 reais, ou seja, em três horas produz o salário, então em 5 horas produz para o capitalista, ou seja, é o excedente. O trabalho não pago é a mais valia, no exemplo, R$ 50 reais.

O capitalista busca sempre aumentar a mais valia.

A mais valia absoluta consiste em aumentar a jornada de trabalho, exemplo, a hora extra (estratégias) ou banco de horas.

No início do capitalismo a extração da mais valia absoluta era a mais comum, pois não havia legislação (século XIX).

A mais valia relativa consiste em aumentar a produção em menos tempo, ou seja, aumentar a produtividade no tempo de trabalho acelerando a produção. Exemplo: Henry Ford, início do século XX, organizando a produção, otimizando o tempo, diminuindo conversas, estimulando o trabalho para ser mais rápido.

O trabalho produtivo está diretamente produzindo mercadorias (produz mais valia).

O trabalho improdutivo colabora para a produção da mais valia e não está diretamente ligado à produção de mais valia.

Vide página 129 – É preciso distinguir …

O trabalho produtivo e improdutivo é a maior polêmica da economia política entre os marxistas.

Capítulo V

D – M – D’

Exemplo: Capitalista tem 1 milhão, produzirá sapatos (M’), precisa de meios de produção como máquinas, colas, insumos e etc, gastando 800 mil.

Capitalista precisa de força de trabalho, custando 200 mil.

………P – utiliza o investimento na produção.

Capitalista tem 3 milhões ao final do processo, então, retorna 1 milhão e os 2 milhões são o excedente produzido pela FT.

Produção e (RE)produção

Reprodução simples – gastar o lucro inteiro para uso pessoal

Reprodução ampliada – quando reinveste parte ou todo o lucro, obtendo-0 cada vez maior.

Vide Pág. 138 – A forma típica…

Vide Pág. 139 – Essa conversão…

Lucro provém da FT, usou parte da mais valia que transforma em capital.

A mais valia transforma-se em capital e o capitalista vai acumular cada vez mais capital e consequente lucro cada vez maior.

Não existiria o modo de produção capitalista em um sistema de reprodução simples.

Ver O Capital – Livro 2 – Capítulos XX e XXI.

Capitalismo tem tendência histórica, uma minoria que pode comprar a FT e a maioria que tenha apenas a FT para vender.

Tendência a concentrar o capital, ou seja, a concorrência entre os capitalistas.

Séc XIX tinham muitos capitalistas.

Capitalismo monopolista e concorrencial.

O monopolista – concentração

Concentração e centralização – vide pág. 142

Somente quem tem muito consegue investir e somente ao investir muito traz mais lucros.

Agenda:

Avaliação – 03 de Junho

Envolverá os capítulos 4, 5 e 7 do Livro Economia Política – José Paulo Netto.

Revisão – Dia 20 de Maio

Semana do Serviço Social – 27, 28 e 29 de Maio.

Economia Política: Resumo de aula 22/Abril/2013

Este resumo de aula foi possível devido as anotações que o Ivan fez em sala de aula.

MPC – Modo de Produção Capitalista

O capitalista é dono dos meios de produção.

O trabalhador tem apenas a força de trabalho FT.

O salário é pago ao trabalhador e sua família com objetivo da reprodução de mão de obra.

O valor da mercadoria FT é o salário.

O salário é preço da mercadoria força de trabalho.

Quanto menor a oferta da força de trabalho maio o preço (mercadoria)

O salário é calculado com a soma das condições necessárias para que o trabalhador produza e se reproduza.

O trabalhador produz mais valor que é a diferença entre o que recebe e o que produz.

Extração de mais valor absoluta e aumento da jornada (1)

Mais valor relativo é o aumento da produtividade dentro do mesmo tempo (2)

Para extrair o máximo de mais valor absoluto e relativo é o capitalista que é dono dos meios de produção que comanda o processo produtivo, mas nem sempre foi assim:

só os trabalhadores sabiam fazer as coisas, dominavam o processo de produção (artesãos)

Foram estabelecidas leis que proibiram a prática dos artesãos.

Os artesãos foram obrigados a se reunirem sob o mesmo teto (fábrica)

O capitalista introduz aprendizes aos artesãos reunidos

Assim o saber foi expropriado dos trabalhadores.

Procede-se a divisão do trabalho em tarefas simples

Capital é o dinheiro investido na produção

Para produzir mercadorias o capitalista precisa comprar os meios de produção (fábricas, máquinas, matéria prima, instrumentos, insumos entre outros), este capital investido é chamado de capital constante.

O dinheiro investido na força de trabalho é chamado de capital variável.

A mercadoria pronta que é comprada pelo capitalista para produzir nova mercadoria chama-se trabalho morto.

A mercadoria força de trabalho em ação, chama-se trabalho vivo.

Trabalho simples onde é aplicado mais energia física e mental que comparado a outro tipo de trabalho, para definir se é simples ou complexo.

Definições: trabalho

Vivo – trabalhador ativo

Morto – Mercadoria pronta (máquina)

Simples – aquele que aplica-se menos energia física e mental.

Complexo – aquele que aplica mais energia física e mental.

Produtivo – que produz mais valor diretamente.

Improdutivo – que não produz mais valor com sua atividade.

Capitalista industrial – que produz mercadorias

Capitalista Financeiro – banco – financeiro

Capitalista comercial – que vendem as mercadorias

Todos estes participam do lucro.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.341 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: